DISPRAXIA

A dispraxia é uma forma de distúrbio da coordenação do desenvolvimento (DCD) que causa dificuldades nas habilidades motoras grossas e finas. Também pode afetar a fala, percepção e pensamento.  

sebastian muller 52 unsplash

ESTUDANTES DE APOIO             MAIS INFORMAÇÃO

Causas da dispraxia

  • A dispraxia é uma condição vitalícia.
  • A imaturidade do desenvolvimento de neurônios no cérebro pode ser responsável pelo DCD.
  • Existe um risco maior de desenvolver dispraxia quando um bebê nasce prematuro, com baixo peso ao nascer, quando há um histórico de dispraxia na família ou quando uma futura mãe bebe álcool ou usa drogas ilegais.

Sintomas de dispraxia

  • A coordenação deficiente torna difícil pular, pular, pegar ou chutar uma bola.
  • Os alunos podem achar difícil usar tesouras, escrever bem, enfiar contas ou amarrar cadarços.
  • Os alunos podem achar difícil subir e descer escadas.
  • Alguns alunos podem ter dificuldade para se concentrar.
  • Alguns alunos podem achar difícil se organizar.
  • Alguns alunos podem ficar frustrados e desenvolver baixa auto-estima e problemas de comportamento.
  • Os alunos mais velhos podem tentar evitar ter que escrever nas aulas ou participar das aulas de educação física.

Gerenciando dispraxia

  • A dispraxia não tem cura, mas os alunos podem ser ajudados a superar os desafios que enfrentam.
  • Um pequeno número de crianças pode ver os sintomas diminuir à medida que envelhecem
  • A maioria das crianças precisa de ajuda profissional para atingir seu pleno potencial.
  • Fazer uma avaliação inicial é crucial para fornecer ajuda adequada.
  • A intervenção mais comum é uma abordagem orientada para a tarefa. Isso envolve trabalhar em tarefas específicas que causam dificuldades e encontrar maneiras de superar a dificuldade.
  • As tarefas são geralmente divididas em pequenos passos, ensinando movimentos específicos e praticando regularmente.

Apoiando alunos com dispraxia

jason leung 479251 unsplash

Identificação e avaliação precoce

  • O diagnóstico médico por meio de um médico de família com encaminhamento a um pediatra e terapeuta ocupacional (TO) ajudará a criança a ter acesso à ajuda de que precisa.
  • Uma avaliação cognitiva por um psicólogo educacional ou professor especialista pode destacar deficiências na memória de trabalho e na velocidade de processamento.

Ajuda com organização

  • Almeje o suporte para identificar os pontos fortes e fracos de um aluno individual.
  • Uma rotina diária clara e previsível pode ajudar a desenvolver a independência.
  • Imprima as tarefas de casa ou distribua-as no início da aula e dê tempo para os alunos buscarem esclarecimentos.
  • Avisos para lembrar de recursos apropriados e ajuda na organização do trabalho e notas são úteis.

 Ajuda na aula

  • Crie oportunidades para os alunos praticarem habilidades orientadas para tarefas.
  • Ao ensinar habilidades de escrita, use uma formação de letras multissensorial, use lixa, bandejas de arroz e escrita aérea.
  • No PE, ajude a desenvolver a coordenação com o lançamento de saquinhos de feijão, andar na linha e fornecer equilíbrio ou pranchas de balanço.
  • Faça contato visual antes de dar instruções, use uma linguagem direta e dê instruções em uma ou duas etapas.
  • Dê tempo para o processamento e aguarde uma resposta.
  • Dê pistas visuais e também instruções orais.
  • Um ambiente de aprendizado de baixo estímulo ajudará se o aluno se distrair facilmente.

Mais informação

Siga-nos

Siga-nos
Junte-se à conversa
Facebook Instagram Twitter

Newsletter

Newsletter
Inscreva-se para o nosso  NEWSLETTER